Radio Lacan
QUEM SOMOS

STAFF
Presidente: Leonardo Gorostiza
Diretora: Liliana Mauas
Assessoria Editorial: Adriana Testa

Comitê Internacional e correspondentes
Marcelo Veras (EBP)
Carmen Conca (ELP)
Liliana Salazar-Redon (ECF)
Raquel Cors Ulloa (NEL)
Adriana Testa (EOL)
Laura Rizzo (SLP)
Gali Weinstein (NLS)

Comitê de Conteúdos
Responsável: Liliana Mauas
Secretário: Walter Sierra
Colaboradores
Omaïra Meseguer, Melina Cothros, Silvana Belmudes, Rosana Montani, Stéphan Montagnier, Isolde Huba-Mylek, Marcelo Denis, Magali Lutrand, Eduardo Scarone, Blanca Musachi, Lucas Leserre, Eugenia Varela Navarro, Laura Rizzo, Gleuza Salomon, Marlène Belilos, Silvina Bragagnolo, Claudio Steinmeyer, Patrick Almeida, Maria Cristina Giraldo, Julia Gutiérrez, Elena Levy Yeyati, Graciela Esperanza, Ana Viganó, María Elena Lora, Antonio Múgica Ariño, Maria Eugenia Cora, Gerardo Battista, Bettina Quiroga, Miriam Pais, Linda Clarke, Tom Ryan, Myriam Chang, Marta Maside, Patricia Tassara, Sofía Guaraguara, Lisandro Isasa, Renata Cuchiarelli, Betina Ganim, Christian Ríos, Nicolás Conde, Marilina Burjachuk, Loretta Biondi, Silvia Cimarelli, Isabel Capelli, Florencia Medici, Alejandro Reinoso, María Laura Tkach, Zully Flomenbaum.
Desenho e comunicação: Santiago Alaniz
Webmaster: Mario Merlo.
Web Designer: Kilak | Diseño & web


A proposta da RádioLacan é transmitir a voz da Associação Mundial de Psicanálise e sua política, que é a de Orientação Lacaniana, mostrando ao mundo a validade da psicanálise e a atualidade do pensamento de Jacques Lacan.
É uma rádio viva, com o objetivo de intervir no debate contemporâneo e fazer ouvir a posição da psicanálise frente ao avanço do discurso da ciência interagente com o capitalismo; e as consequências disso no mundo atual.

Uma rádio lacaniana para os psicanalistas e para aqueles que não o são. Uma rádio que aborda tanto a clínica, a política e a episteme psicanalítica, como os laços e as afinidades da psicanálise com as diversas manifestações do saber, a ciência e a arte.
A rádio AMP incentiva os debates que os psicanalistas defendem em cada Escola, relativas às múltiplas transformações de nossa época, sobre a posição da psicanálise de Orientação Lacaniana no séc. XXI e, em particular, acerca do lugar do analista cidadão no contexto desses debates.

Desde sua fundação, em 3 de janeiro de 1992, a Associação Mundial de Psicanálise se inscreve no movimiento de reconquista do campo freudiano, que se pôs em marcha em 21 de junho de 1964. Seguindo os principios contidos na Proposição sobre o psicanalista da Escola (1967), tem por objetivo promover o desenvolvimento da Psicanálise no mundo. A AMP promove a prática da Psicanálise e seu estudo de acordo com o ensino de Jacques Lacan.

Pierre Naveau